Edital de vídeos 2018

REGULAMENTO DA 8ª MOSTRA AUDIOVISUAL ESTUDANTIL JOAQUIM VENÂNCIO

SELEÇÃO DE VÍDEOS

MOSTRA AUDIOVISUAL ESTUDANTIL JOAQUIM VENÂNCIO 2018

I – DA FINALIDADE

1.1 – O presente regulamento tem por objetivo selecionar vídeos produzidos por alunos matriculados nas diferentes séries do Ensino Fundamental, Médio, Educação Profissional Técnica de Nível Médio e da Educação de Jovens e Adultos para compor a programação da 8ª Mostra Audiovisual Estudantil Joaquim Venâncio, que será realizada nos dias 08 e 09 de agosto de 2018, na Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio (EPSJV) da Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ).

II – DA ORGANIZAÇÃO

2.1 – A 8ª Mostra Audiovisual Estudantil Joaquim Venâncio é coordenada e realizada pelo Núcleo de Tecnologias Educacionais em Saúde (CODEMATES/NUTED) da Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio (EPSJV) da Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ).

III – DA EXIBIÇÃO

3.1 – Os vídeos selecionados serão exibidos em blocos, compostos a partir do agrupamento por características ou temáticas afins.

3.2 – Os blocos de exibição poderão ser divididos por classificação etária, em função do conteúdo e linguagem dos vídeos selecionados.

3.3 – Após a exibição de cada bloco de vídeos está previsto um debate com os realizadores que estejam presentes. A exibição fica assegurada independentemente da presença dos realizadores.

3.4 – Questões relativas ao direito autoral e direitos de uso de voz, imagem, trilha sonora ou locação no conteúdo dos trabalhos inscritos são de responsabilidade dos próprios realizadores.

IV – DO LOCAL, PRAZOS E PROCEDIMENTOS DAS INSCRIÇÕES

4.1 – O período de inscrições será do dia 20/04/2018 até 15/06/2018 . Serão aceitos curtas-metragens com até 13 minutos de duração incluindo créditos, produzidos nos anos de 2016, 2017 e 2018.

4.2 – Os vídeos que forem enviados ou entregues fora dos prazos determinados e/ou não apresentarem todos os requisitos e documentos solicitados serão automaticamente desclassificados.

4.3 – O formato do arquivo deve seguir o padrão MP4, MOV ou AVI.

4.4 – A inscrição é gratuita e composta por duas etapas: o preenchimento de uma ficha de inscrição pelo site (www.epsjv.fiocruz.br/mostrajoaquimvenancio) e o envio dos vídeos online. Abaixo descrevemos todas as etapas de inscrição passo-a-passo:

I – Preencher a ficha de inscrição pelo site (https://mostrajoaquimvenancio.wordpress.com/2018/04/18/formulario-de-inscricao-2018/);

II – Enviar os vídeos pelo site de transferência de arquivo “wetransfer” (www.wetransfer.com – arquivo com até 2Gb) para o email mostrajoaquimvenancio@gmail.com;

III – Enviar a “autorização de uso de imagem” e “declaração de matrícula” preenchidas, assinadas e escaneadas para o email mostrajoaquimvenancio@gmail.com (conforme modelos disponíveis para download no site).

4.5 – Os vídeos que envolvam a participação de alunos que não estão mais matriculados na escola só serão aceitos para inscrição mediante declaração de matrícula do aluno referente ao ano em que o vídeo foi produzido, respeitados os limites definidos no item 4.3.

4.6 – Vídeos produzidos por escolas em parceria com produtoras ou Organizações Não Governamentais só serão aceitos para inscrição se encaminhados pelos professores responsáveis pelo projeto ou por alunos envolvidos no mesmo, contendo a documentação exigida.

V – DO CRONOGRAMA

  1. a)  20/04/2018 até 15/06/2018: inscrição dos vídeos;
  2. b)  22/06/2018: divulgação dos vídeos selecionados (www.epsjv.fiocruz.br/mostrajoaquimvenancio);
  3. c)  08 e 09 de agosto de 2018: realização da 8ª Mostra Audiovisual Estudantil Joaquim Venâncio, com exibição dos vídeos selecionados.

VI – DA SELEÇÃO

6.1 – A seleção dos vídeos será realizada por uma Comissão de Seleção indicada pela organização da Mostra e composta por professores, pesquisadores e/ou produtores ligados à articulação do audiovisual com a educação.

6.2 – A seleção seguirá os critérios descritos abaixo:

  • Argumento (ideia central e sua articulação ao longo do vídeo);
  • Criatividade;
  • Exploração da linguagem audiovisual (diferentes formas de uso de elementos como direção, edição, fotografia, som, direção de arte, figurino etc.);
  • Processo educativo (processo de produção do vídeo e sua vinculação a um processo educativo).

6.3 – A quantidade de vídeos selecionados poderá variar em função do tempo disponível para exibição.

VII – DISPOSIÇÕES GERAIS

7.1 – Os vídeos inscritos, inclusive os que não forem selecionados, passarão a ser parte do Acervo do NUTED/CODEMATES/EPSJV.

7.2 – A organização da 8ª Mostra Audiovisual Estudantil Joaquim Venâncio se reserva o direito de exibir, em qualquer meio de comunicação, trechos de até 1 minuto de cada vídeo e/ou trailer dos vídeos participantes, com fins de divulgação da Mostra.

7.3 – Os participantes autorizam a reprodução integral de seus trabalhos na coletânea dos selecionados para a edição 2018.

7.4 – Os participantes autorizam a reprodução integral de seus trabalhos na eventualidade de estes serem selecionados para compor um programa de televisão do Canal Saúde. Os organizadores se reservam o direito de selecionar os vídeos que serão exibidos no programa citado, conforme critérios a definir. O programa será produzido como forma de divulgação da Mostra e de uma seleção dos vídeos exibidos na mesma.

7.5 – Os participantes cedem, automaticamente, à Mostra Audiovisual Estudantil Joaquim Venâncio, os direitos de imagem total ou parcial das fotografias e gravações dos debates, oficinas e exibições captadas durante a realização da Mostra Audiovisual Estudantil Joaquim Venâncio.

7.6 – Cada escola que tiver vídeos selecionados receberá uma cópia de DVD contendo a coletânea dos selecionados para esta edição da Mostra.

7.7 – As escolas que tiverem vídeos exibidos receberão um certificado de participação como exibidores na Mostra.

7.8 – O custeio de passagens, alimentação e hospedagem dos representantes dos vídeos selecionados é de responsabilidade dos próprios representantes.

7.9 – Caberá à coordenação da Mostra a solução de qualquer caso omisso neste regulamento.

Equipe de Coordenação da  8ª Mostra Audiovisual Estudantil Joaquim Venâncio

Advertisements

Programação

Esse ano a programação contará com o “I Seminário de Audiovisual e Educação: metodologias na construção do conhecimento” que tem como proposta apresentações de trabalhos desenvolvidos por professores. Para informações, acesse https://seminarioaudiovisualeducacao.wordpress.com/

7 de agosto de 2018
I Seminário de Audiovisual e Educação
metodologias na construção do conhecimento

8h30 – Credenciamento

9h – Mesa de abertura

10h – Mesa temática Audiovisual, Educação e Ciência com Natália Cybelle Oliveira*

13h – Almoço

14h – Rodas de conversa: Apresentação dos trabalhos de professores

08 de agosto
8ª Mostra Audiovisual Estudantil Joaquim Venâncio

09h – Mesa de abertura

09h30 – 12h30 – Exibição de vídeos produzidos por alunos

12h30 – 14h – Almoço

14h-17h – Exibição do documentário “Legitima defesa” direção de Susanna Lira e debate com Leda Stopazzolli, Sara Stopazzolli, Ursula e Daiane.

09 de agosto
8ª Mostra Audiovisual Estudantil Joaquim Venâncio

09h – 12h30 – Exibição de vídeos produzidos por alunos

12h30 – 14h – Almoço

14h-17h – Exibição do documentário “Arábia” direção de João Dumans, Affonso Uchoa e debate com João Dumans.

A 7ª Mostra Audiovisual – pelo olhar de Rafaella Peres (aluna 3º ano do curso de Análises Clínicas)

Dia 06 de Julho de 2017 começou a 7a Mostra Audiovisual Estudantil Joaquim Venâncio na EPSJV. A abertura foi feita por Carlos Batistella, coordenador do NUTED, pelo Vice Diretor de Ensino Carlos Maurício Barreto e pela representante da Secretaria Municipal de Educação do Rio de Janeiro, Luciana Bessa. Foram selecionados 36 vídeos de diversos lugares do mundo, como Argentina e Espanha. Os curtas foram de vários gêneros, como ficção, documentário, comédia, suspense, biografia e clipe, e abordam inúmeros temas, como amor, ditadura, questões de gênero, drogas, filosofia, amizade, despedida e cotidiano escolar. Na parte na manhã, o evento contou com a ilustre presença de 6 escolas, tanto do Rio de Janeiro quanto de Pernambuco, para apresentarem seus curtas audiovisuais.

Na primeira parte do dia, a Mostra foi mediada por Rodrigo Gomes (3o Análises) e Bianca Potsch (3o Análises). No primeiro bloco de vídeos, foram exibidos “Linha Tênue”, das escolas Liceu Maranhense e Centro de Ensino Bernardo Coelho Almeida, “Cotidiano”, do Núcleo de Arte Grécia, “Otra nave sobre el espacio”, “El vacío mágico” e “La foto”, da Taller de “Cine El Mate”, “Rio Vivo” da Escola Municipal Professora Leocadia Torres e “Atrás da Porta”, do Instituto de Educação Professor Ismar Gomes de Azevedo. O debate se iniciou com a equipe do suspense “Atrás da Porta”. Eles contaram que a ideia do curta surgiu com um trabalho de artes proposto pela professora. Em seguida, o professor dos atores de “Cotidiano” contou que a ideia do documentário era retratar o cotidiano dos alunos portadores de necessidades especiais.

O segundo bloco foi composto pelos vídeos “Kaibigan”, do Institut Milà i Fontanals, “Adèu”, da Escola de Bordils, “Paranóia”, da Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, “A história do H”, da Escola Municipal Pires de Albuquerque, “Me ensina a olhar?”, da Escola Municipal Francisco Manuel e “Harry Potter – o Recomeço”, da EREM Frei Orlando. As escolas que apresentaram seus trabalhos foram EPSJV, Escola Municipal Pires de Albuquerque e Escola Municipal Francisco Manuel. A primeira falou sobre a importância de um continuista em um filme e contou que a equipe utilizou materiais pessoais e da escola, então o orçamento foi muito baixo. A segunda escola, autora do vídeo “A história do H”, relatou que a ideia era usar recorte, colagem e desenhos dos alunos para o aprendizado através de um vídeo. De acordo com a professora, a parte mais difícil foi fazer com que todos os 30 alunos tivessem alguma participação. A terceira e última escola que apresentou seu projeto foi a Escola Municipal Francisco Manuel. A professora disse que o processo de criação do filme foi uma experiência ímpar para os participantes. Para eles, a melhor parte foi a filmagem.

O terceiro bloco incluiu os curtas audiovisuais “Meus traços, meus laços”, do Instituto de Educação Professora Ismar Gomes de Azevedo, “Short Jeans”, do Liceu Maranhense e Centro de Ensino Bernardo Coelho Almeida, “O homem trocado – baseado na obra de Luis Fernando Veríssimo”, do EREM Quintino Bocaiúva, “O segredo do anel misterioso”, do Núcleo de Arte Grécia e “El hombre de papel”, de Taller Cine “El Mate”. O primeiro grupo que se apresentou foi o criador de “Meus traços, meus laços”. Segundo eles, o mais interessante da produção foi conhecer mais os amigos de classe, e a parte mais difícil foi a gravação por causa da falta de tempo. Em seguida, o representante de “O segredo do anel misterioso” relatou que o roteiro foi feito pelos atores e que ele sofreu diversas modificações ao longo do processo criativo. E, por último, de acordo com a turma de Pernambuco, criadora do vídeo “O homem trocado”, a ideia surgiu com o estudo de uma crônica de Luis Fernando Veríssimo na aula de Leitura e Produção Textual. Eles enfrentaram diversas dificuldades na separação dos grupos do trabalho, no entanto, ainda foi uma experiência incrível.

Na parte da tarde, o longa metragem “Laerte-se” foi exibido com a presença da diretora Lygia Barbosa da Silva. Após a exibição do filme, houve uma conversa entre os alunos e a diretora. Diversos assuntos foram abordados, como quebra de tabus e medo de polêmicas. De acordo com Lygia, o filme trouxe um retorno positivo, uma vez que gerou diversos debates sobre a temática e transformou a vida de muitas pessoas. Ela comentou sobre a necessidade de construção de confiança entre ela e Laerte. Além disso, falou sobre a dificuldade financeira para a produção cinematográfica. Entretanto, em meio às dificuldades, ela conseguiu o apoio da Netflix, que tornou o documentário um Original Netflix, ou seja, ele pôde ser exibido em 190 países. A partir desse apoio, o filme ganhou força e dinheiro para sua continuação. O longa causou grande emoção e impacto no público. Segundo Lygia, Laerte gostou do filme, mesmo que não tenha demonstrado muita euforia.

O primeiro dia da 7a Mostra Audiovisual foi carregado de diferentes assuntos e emoções, que contribuíram para reflexões e, quem sabe, mudança de vida.

17-07-07---Manhã--NATHALIA-(27)-001

No dia 07 de Julho de 2017, aconteceu o segundo e último dia da 7a Mostra Audiovisual Estudantil Joaquim Venâncio na EPSJV. Durante a manhã, o evento recebeu 6 representantes de escolas de todo o estado do Rio de Janeiro: Escola Municipal Professora Márcia Francesconi Pereira, Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, Colégio Estadual D. Pedro II, Escola Municipal Monteiro Lobato e Escola Municipal Professor Vieira Fazenda, e até de Recife, o ETEPAM. Essas instituições de ensino compareceram com o objetivo de exibir seus projetos audiovisuais. A Mostra começou muito animada com a abertura dos apresentadores Bianca Potsch (3o Análises) e Leonardo Duarte (3o Análises).

O primeiro bloco de curtas incluiu “Do lado de cá”, “O aviãozinho de papel”, “Não esperava isso de você”, “Joana no país das armadilhas”, todos da Escola Municipal Professora Márcia Francesconi Pereira, “Sócrates – a história do artista filosofal”, da Escola de Referência em Ensino Médio Porto Digital e “Crush”, da EPSJV. O debate começou com o vídeo “Do lado de cá”. Segundo os criadores, foi uma experiência muito diferente, já que eles tiveram pouco tempo para produzir. Em seguida, o grupo de “O aviãozinho de papel” contou que a ideia surgiu a partir da leitura de um livro e o objetivo era mostrar pontos turísticos de Cabo Frio. O terceiro curta debatido foi “Não esperava isso de você”. Os criadores contaram que a ideia do roteiro foi abordar assuntos em destaque, como a violência contra a mulher. O grupo que produziu “Crush” contou que houve diversos imprevistos e que a parte da edição foi bastante complicada.

No segundo bloco foram apresentados os curtas “Trajetória política de Ramires do Vale e Almir Custódio”, da Escola Técnica Professor Agamenon Magalhães, “Por que gostar de que não gosta de mim?”, do Colégio Estadual D. Pedro II, “Vida de Luciano no tempo da ditadura” e “3 mulheres e a ditadura” do ETEPAM, e “O que é amizade pra você?”, da Escola Municipal Monteiro Lobato. O primeiro fez parte de um projeto sobre as pessoas que lutaram contra a ditadura. O grupo contou, por vídeo, que eles realizaram entrevistas com familiares desses homens e que o vídeo foi gravado com material amador e, na maior parte, na escola. Em seguida, os organizadores do curta “Por que gostar de quem não gosta de mim?” disse que escolheram esse tema porque é bem atual e polêmico. Em seguidas, os participantes do curta “O que é amizade para você?” comentaram que uma das inspirações para a criação do vídeo foi uma discussão na aula de teatro sobre o uso das drogas.

O terceiro e último bloco foi formado pelos curtas “Ciranda do caranguejo” e “Cinco vezes amor”, da Escola Municipal Professor Vieira Fazenda, “Os perigos e consequências do aborto clandestino”, da Escola de Referência em Ensino Médio Confederação do Equador e “Jornal da tarde” e “Shakespeare na Escola”, do Núcleo de Arte Avenida dos Desfiles. Para iniciar o debate, a turma que produziu “Ciranda do caranguejo” disse que eles usaram técnicas como recorte, desenho e pixilation para a produção. O “Cinco vezes amor” foi organizado pela professora. Uma das maiores dificuldades foi a interferência do vento no microfone.

No período da tarde, exibiu-se o filme “Mate-me por favor”, e recebemos a presença das atrizes Valentina, Júlia, Maria e Dora. Em seguida, houve uma conversa com elas e os estudantes. Elas contaram que a atriz principal tentava sempre testar seus limites e entender o que era a morte. Além disso, contaram que o filme fala sobre a adolescência, falta dos pais, das pessoas que morreram. A diretora do filme tentou externalizar sentimentos adolescentes muito internos. Houve, também, uma homenagem à Daniela Peres. As atrizes assistiram documentários e fotos sobre sua morte, o que as tocou muito. Elas comentaram que, nesse processo, elas tiveram que trabalhar e amadurecer diversas ideias que elas não eras acostumadas. A Valentina, que interpretou a Bia, ganhou muita coragem durante o processo de criação do filme.

Bom, essa 7a Mostra Audiovisual chegou ao fim, mas as reflexões e sentimentos continuarão por muito tempo. Até o ano que vem!

Rafaella Peres – 3o Análises

 

Audiovisual no Ensino Médio da EPSJV

“Pensar no que filmar antes de apertar o rec” parece um imperativo óbvio para qualquer idealizador, que de antemão carrega na cabeça idéias centrais e esboços de sequências e cenas de um vídeo. O óbvio, no entanto, se esvanece na fumaça da representação. A indústria cultural na sociedade espetacular ofusca a capacidade de refletir sobre si própria e a imagem-mercadoria domina os meios de comunicação de massa, os álbuns de fotografia familiar e os vídeos produzidos nas festas de aniversário.

A crescente facilidade com que as gerações mais novas lidam com as tecnologias de imagem e som (câmeras e gravadores digitais, programas de edição não linear, de manipulação de imagens, etc) os potencializam a serem também produtores e distribuidores, não mais apenas consumidores dessa informação e desse conhecimento. Faz-se aí mais do que necessário somar a esse domínio (convívio?) precoce da técnica uma reflexão crítica que os faça capazes de questionar e desconstruir o emaranhado de informações no qual nos encontramos, produzindo, por si só, a imagem crítica, a contra-informação.

O audiovisual no Ensino Médio da EPSJV tem como finalidade realizar-se como crítica da cultura, como instrumento de diálogo com a linguagem textual, sem, no entanto, negar a sua especificidade oriunda da linguagem cinematográfica. Como contraponto de uma educação danificada e amparada pela imagem e pelas representações na sociedade do espetáculo, o audiovisual cumpre um papel importante na formação dos alunos como elemento intelectual e artístico capaz de produzir leituras de mundo autênticas, unindo elaboração crítica sobre a realidade e a sensibilidade.

A educação audiovisual do aluno implica diretamente uma educação do olhar como crítica da imagem, bem como um aprendizado da linguagem audiovisual através de um processo coletivo de produção que inclui desde a construção do argumento e roteiro através de pesquisa, até a produção, filmagem e edição.

Cabe ressaltar que a linguagem audiovisual proporciona ao aluno um conhecimento acerca das interfaces entre comunicação, informação e saúde, a partir de uma educação baseada na técnica, no olhar e na crítica, além de estimular novas formas de comunicação, mais crítica e criativa, que façam sentido e se articulem com os princípios e diretrizes do SUS. Portanto, a realização de uma produção audiovisual com os jovens do Ensino Médio, tendo como referência a educação politécnica, não passa apenas pelo domínio das tecnologias de produção, reprodução e difusão das imagens, mas fundamentalmente pela compreensão do papel da proliferação das imagens no mundo real.

A disciplina de audiovisual é uma opção das disciplinas de artes (música, teatro, artes visuais e audiovisual) do currículo do ensino médio e é distribuída ao longo dos três anos. Clique aqui para conhecer o programa detalhado da disciplina.